O jornalista da BBC mostrou em direto ao presidente da Coca-Cola a quantidade de açucar presente na sua bebida! Veja a reação!


Nós consumimos tanto açúcar diarimente, dos quais, na maioria não é sequer real, natural ou orgânico, e é provavelmente uma das piores coisas possíveis que poderíamos colocar nos nossos corpos. O açúcar tem uma série de efeitos nocivos para a saúde e leva a muitas doenças, incluindo diabetes e cancro, entre muitos outros.


[adinserter block=”8″]
Tornou-se popular nos Estados Unidos nos 1970’s atrasados porque era uma alternativa muito mais barata ao açúcar de cana regular. Estes dias, estamos consumindo uma média de 27 colheres de chá de açúcar por dia, enquanto o consumo diário recomendado da American Heart Association não é mais do que seis colheres de chá por dia para a mulher média e não mais do que nove para o homem médio. Por que estamos a consumir tanto açúcar? E por que exatamente o açúcar é adicionado em quase tudo o que comemos?

Não é segredo que a “junk food” é projetada para ser viciante, e que o açúcar dentro dele literalmente o mata.

Um estudo recente da UCLA determinou que também está a diminuir o nosso QI. Outro estudo descobriu que era tão viciante quanto a heroína.

No vídeo abaixo, o jornalista da BBC Paxman mostra a um executivo da Coca-Cola o quanto de açúcar está na bebida. É bastante divertido, uma vez que não há absolutamente nenhuma justificação para a quantidade de açúcar que eles colocam nas suas bebidas.
[adinserter block=”8″]

Você ainda tem uma escolha

O nosso mundo está cheio de substâncias nocivas que regularmente consumimos todos os dias. É difícil acreditar que estas substâncias (como a Coca-Cola), feitas para ser altamente viciantes, são comercializadas para as massas sem pensarem nas consequências. A corporação Coca-Cola está a promover a doença, obesidade e diminuição da função cognitiva. Eles estão a abalar a sociedade. O facto de qualquer ser humano puder promover algo que nos mata está além da minha capacidade de entender.

No final do dia, independentemente de quão viciante e prejudicial é um produto, você ainda tem a opção de não consumi-lo. Você tem que ser a mudança. Essas corporações não têm poder, o poder está dentro de todos nós. Sem nós, eles não existem!