Sabe quantas vezes deve comer por dia?


Todos os dias há uma nova versão mas nós queremos a resposta certa. Vai daí, perguntamos à nutricionista Laura Ribeiro, do Holmes Place.

Deve comer apenas nas horas das refeições, e bem. Tem de comer várias vezes ao dia em porções mais pequenas. Três peças de fruta por dia é o ideal. Não, afinal são oito. Ou serão dez? Todos os dias há novas teorias sobre a forma mais correta de nos alimentarmos, sobre o que é mais benéfico para a saúde. Há tanta informação que acaba por funcionar ao contrário: ninguém sabe muito bem o que fazer, nem o que é melhor.

A fruta, por exemplo, é um dos alimentos mais comentados. Até há bem pouco tempo havia a certeza de que o número de peças que se devia comer por dia era três. No entanto, em fevereiro surgiu um novo estudo desenvolvido pela Imperial College, em Londres, que diz que o número ideal são dez.

Contudo, estas dúvidas espalham-se por toda a alimentação. Segundo a nutricionista Laura Ribeiro, do Holmes Place, em situações específicas, fazer seis refeições diárias é o melhor e pode ser bastante eficaz.

Ou seja, para mantermos um estilo de vida saudável, “torna-se imprescindível comer de três em três horas, o que quer dizer que devemos fazer cinco a seis ou mais refeições diárias”. Aliás, no caso de pessoas que gastam demasiada energia e comem quantidades muito elevadas ou que têm doenças específicas, como a Diabetes, este método é ainda mais importante.

Mas, e se o objetivo passar por perder peso? Na verdade, “um maior número de refeições ao longo do dia parece estar associado a um maior controlo alimentar, em que somos menos compulsivos”.

Deve comer a cada duas ou três horas para evitar os “picos de forme” e melhorar os níveis de energia. “Desta forma, vamos reduzir o armazenamento de gordura e as perdas de massa muscular”.

De acordo com a nutricionista, um estudo publicado no jornal científico The National Institutes of Health comprovou isso mesmo. Foram analisados dois grupos de pessoas que consumiam a mesma quantidade de energia com intervalos de tempos diferentes entre as refeições — e o resultado foi surpreendente. O grupo que fazia seis refeições por dia, ao contrário do que fazia apenas três, teve uma perda de gordura muito maior.

“Fazer cinco ou seis refeições ao longo do dia não está de todo errado, mas também não é transversal e obrigatório”, explica Laura Ribeiro.

No fundo, mais importante do que definir um número de refeições é cumprir rotinas, uma vez que “existem evidências de que é negativo alterar frequentemente o horário e o número de vezes que comemos”.