Qual é o impacto psicológico do excesso de população? Veja esta experiência terrível!


Há quase 7,5 bilhões de pessoas no planeta neste momento. A questão de como conseguir alimentar, vestir, educar, empregar e hidratar a todo este número é um problema que todos conhecemos. A questão do excesso de população e, se isto é ou não um grande problema, muitas vezes questiona como os nossos recursos limitados podem ser usados ​​num mundo em crescimento.

No entanto, embora a maioria das discussões sobre o excesso de população se concentre nos aspectos materiais do mesmo, alguns questionaram sobre as ramificações psicológicas. O principal desses pensamentos foi o de Dr. John B. Calhoun, que trabalhou extensivamente com ratos para estudar os efeitos do excesso de população no comportamento.


Dr. Calhoun foi pesquisador do Instituto Nacional de Saúde Mental (NIMH). Na sua experiência mais famosa, quatro pares reprodutores de ratos foram movidos para uma utopia de ratos. Havia suprimentos ilimitados de comida, água, etc. A área era livre de doenças, a temperatura era perfeitamente controlada, e os pesquisadores até limpavam o lugar mensalmente. Tudo o que lhes faltava era espaço infinito. Havia, no entanto, espaço para 3.000 deles.

Ratos, para aqueles que não sabem, são criaturas realmente sociais nas condições certas. Eles assumem papéis de grupo, marcam territórios e desenvolvem hierarquias se o seu ambiente o permitir. É este comportamento que Calhoun desejava estudar. Ele descreveu a experiência em termos de quatro “eras”, resumidas aqui.

Dias 0-100: A era chamada “Esforce-se”. Durante o qual os ratos foram se acostumando a este “novo mundo” uma vez que os territórios foram estabelecidos.

Dias 100-315: O período de “Exploração”. A população passou para o dobro a cada 60 ou mais dias. O comportamento social foi observado aqui, e a população tirou proveito dos recursos ilimitados.

Dias 315-600: O período de “Equilíbrio”. Foi aqui que os papéis sociais dos ratos começaram a quebrar. Os ratos nascidos durante este período descobriram que não tinham espaço para marcar territórios, e começou a haver violência entre os ratos. Muitos machos simplesmente desistiram de tentar encontrar as suas fêmeas, sendo que raramente se aventuravam. Simplesmente comiam e dormiam. Calhoun apelidou esses ratos de “The Beautiful Ones”.

Dias 600-800: A fase de “Morte”. A população que excedeu os 2.200 começou a declinar. Nenhum nascimento sobrevivente ocorreu após o dia 600, e a colónia acabou por morrer. Os ratos removidos da colónia e colocados em unidades semelhantes continuaram a demonstrar comportamento errático e também não conseguiram reproduzir. Os ratos foram notavelmente violentos neste momento.

O seu trabalho continuou a ser feito por outros pesquisadores mais tarde e foi a inspiração para o livro de crianças chamado “Sra. Frisby e os ratos de NIMH”, mais tarde transformado em “O segredo do NIMH”.

Uma fórmula foi escrita para explicar o que aconteceu aos ratos, como a população continuou a falhar mesmo depois que as condições começaram a melhorar outra vez. Calhoun sentiu que havia realmente duas mortes para os ratos: a primeira morte foi uma morte espiritual, levando ao declínio, ao caos e à loucura. Após esse evento, não foi possível recuperar os ratos. O segundo era físico, e inevitável após o primeiro.



Então, o que esse pesadelo significa para nós?

Dr. Calhoun sentiu que as condições na experiência poderiam ser aplicadas à humanidade, dado que a humanidade tinha resolvido muitas questões importantes de escassez de recursos na década de 1970 e estava agora limitada apenas ao espaço. Os ratos têm papéis sociais, assim como os humanos, e apesar de os seres humanos poderem ser considerados mais inteligentes do que os ratos, ambos os animais têm tendências ao comportamento bizarro quando colocados sob stress.

Ele achava claro que o problema era ter muitos indivíduos para papéis sociais significativos, dizendo que depois desse ponto: “só a violência e a interrupção da organização social se seguia. … Os indivíduos nascidos nestas circunstâncias estarão tão fora de contato com a realidade (…) Aquisição, criação e utilização de ideias apropriadas para a vida numa sociedade pós-industrial cultural-conceitual-tecnológica terão sido bloqueadas “.

Através do seu estudo, mais tarde chegaram à conclusão que a questão-chave não era meramente densidade populacional, mas graus de separação e níveis de interação que causou o stress. Ao tornar mais possível que os ratos evitassem outros ratos, mesmo por um tempo reduzido, os efeitos de crescimento populacional seriam reduzidos.

Será que isto poderia acontecer connosco?

Ele não era tão pessimista quanto a história. Ele sentia que a humanidade não estava presa à condenação como os ratos. Sendo que a nossa capacidade de encontrar novas áreas para viver e de usar a criatividade para responder às mudanças ambientais, tornou possível para nós evitar as condições que criaram esse pesadelo evidenciado nas experiências.

Enquanto a maioria das teorias do excesso de população dos anos 70 centravam-se em problemas de recursos, o Dr. Calhoun estava preocupado com os efeitos psicológicos da superpopulação enquanto animal social. Quando a maioria dos ratos estava em presença de utopia, enlouqueciam. Alguns raros permaneceram normais durante toda a experiência, levando Calhoun e a sua equipa a concentrarem-se no porquê disso acontecer.