O espião do KGB


Nos tempos da Guerra Fria, um espião escapou do KGB russo.
Prestes a ser capturado, na fuga colide com uma freira a quem pede que o esconda debaixo do hábito.
Quando os agentes do KGB se cruzam com a freira, perguntam-lhe se tinha visto um homem suspeito em fuga.
A religiosa informa-os de que não tinha visto nada, e os agentes seguem o seu caminho.
Depois do perigo passado, o espião sai debaixo do hábito da freira e diz:
-Obrigado, irmã, por ter-me salvado de ser capturado pelo KGB.
-Fi-lo com muito gosto – responde a freira.
-Se me permitir, tenho que dizer-lhe irmã, que você tem umas pernas muito formosas. Não notou o leve beijo que lhe dei nos tornozelos?
-É claro que sim.
-E não sentiu, pouco depois,os meus beijos fogosos nos seus joelhos?
-Claro que sim!
-Imagino que também notou quando fui subindo e lhe passei a língua nas coxas?
-Ah pois notei!
-E o que poderia ter sucedido, irmã, se eu tivesse continuado a subir a subir com a minha língua?
-Aí penso que me terias lambido as bolas!
Ou achas que és o único espião que anda por aqui?