Do Alentejo para o Mundo


Foi hoje que a UNESCO oficializou o Cante Alentejano como Património Imaterial da Humanidade, onde se une ao Fado, indigitado em 2011, e à cozinha mediterrânica, aqui a par de Espanha, Marrocos, Chipre, Grécia, Croácia e Itália, nas ofertas culturais única e tipicamente lusas dentro desta estreita selecção.

O anúncio foi recebido com imensa alegria por todo o território do sul de Portugal, em particular na escola Mário Beirão em Beja, onde 400 crianças envolvidas no projecto cante na escola entoaram ‘Castelo de Beja’ no momento em que se confirmou o Cante Alentejano como integrante do Património Imaterial da Humanidade.

Esta não é a única forma ou moda de canto no Alentejo, sendo mais específica do Baixo Alentejo e teve em Serpa a grande promotora da candidatura.

Se o fado foi a primeira nota cultural ‘sem toque’ de Portugal para todo o restante mundo, parece que continua a ser a música a grande manifestação particularmente portuguesa que culturalmente oferecemos ao universo através da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO).