Mulher recusa-se a desligar aparelhos e marido acorda do coma 3 meses depois


A recomendação dos médicos era deixar Matt morrer porque ele tinha sofrido uma lesão cerebral traumática grave e provavelmente nunca mais iria acordar do coma
image
A americana Danielle Josey Davis estava casada há apenas 7 meses quando, em julho de 2011, um acidente grave de moto quase tirou a vida do seu marido, Matt Davis, deixando-o em coma e respirando com a ajuda de aparelhos.

A recomendação dos médicos era de deixar Matt morrer através do desligamento das máquinas, porque ele tinha sofrido uma lesão cerebral traumática grave e provavelmente nunca iria acordar do coma. Mas Danielle decidiu esperar um pouco mais para “ver se ele melhorava”. Na ocasião Danielle disse que os dois ainda não tinham tido tempo suficiente de viver uma vida juntos e, por isso ela não iria desistir.
image (1)

[adinserter block=”6″]
image (2)

image (3)

image (4)
[adinserter block=”6″]
image (5)
Matt ficou em coma durante três meses e, nesse período, foi levado para casa, onde Danielle e a mãe dela cuidavam de Matt em tempo integral. O pai do jovem havia morrido dois anos antes e a mãe dele estava bastante doente e não tinha forças para se manter ao lado do filho em coma.

Matt usava fraldas, se alimentava por sondas, tomava mais de 20 medicamentos e era movimentado pelas esposa e sogra a cada duas horas para evitar o aparecimento de escaras. Em pouco tempo, Matt começou a seguir Danielle com os olhos e então começou a se comunicar apenas três meses após o acidente.

“Um dia eu coloquei o chapéu na mão dele e disse-lhe para colocá-lo na cabeça. Depois de lhe dizer várias vezes, ele conseguiu falar, meio engasgado: “Eu estou tentando!”. Foi a melhor coisa que eu já ouvi na vida!”, disse Danielle.

Com a lesão cerebral, Matt perdeu também a memória de muito do que tinha vivido antes do acidente, inclusive da morte do pai. Ele não lembrava de Danielle, e muito menos que tinha casado com ela 7 meses antes.

A esposa o colocou em um programa de reabilitação e, em dois meses e meio ele se levantou sozinho com a ajuda de um andador. Atualmente Matt anda com ajuda de muletas e continua fazendo treinamentos e fisioterapias.

Todo o tratamento de Matt é pago com a ajuda de um site de financiamento coletivo. Sua evolução pode ser vista através da página que a esposa alimenta frequentemente no Facebook.